Estatísticas em Saúde Mental - Global

Estatísticas Gerais

-Transtornos mentais e comportamentais respondem por 12% do impacto das doenças a nível global

-Estima-se que até o ano de 2020 esta porcentagem terá crescido em 15%

-Transtornos mentais e comportamentais são frequentes e afetam mais de 25% de todas as pessoas pelo menos em algum momento de suas vidas

-Cerca de 20% de todos os pacientes atendidos por profissionais das redes básicas de saúde (cuidados primários) apresentam um ou mais transtornos mentais.

-Dentre os transtornos mais frequentes, os quais também causam incapacidade, estão os transtornos depressivos, transtornos relacionados ao uso de substâncias, epilepsia, esquizofrenia, doença de Alzheimer, retardo mental, e transtornos mentais da infância e adolescência.

-Seis transtornos neuropsiquiátricas situaram-se entre as 20 principais causas de incapacidade no mundo (anos vividos em incapacidade - AVI), sendo elas os transtornos depressivos, transtornos mentais relacionados ao uso de álcool, esquizofrenia, transtorno bipolar, doença de Alzheimer e outras demências, e as cefaléias hemicrânicas.

-Lesões auto-infligidas, incluindo o suicídio, responderam por cerca de 814.000 mortes em 2000

-O suicídio está entre as principais causas de morte entre adultos jovens. Encontra-se entre as três principais causas de morte em indivíduos das idades entre os 15 e os 34 anos. Em alguns países da Ásia e Europa, o suicídio ocupa as primeiras e segundas posições entre as principais causas de morte para ambos os sexos. Os dados referentes a tentativas de suicídio estão disponíveis apenas em alguns países; eles indicam que o número de tentativas de suicídio deva ser 20 vezes mais alto do que o número de suicídios consumados.

 

Exemplos:

China - Principais causas de morte

1-Suicídio

2-Acidentes de veículos motorizados

3-Câncer

 

Europa - Principais causas de morte

1-Acidentes de Tráfego

2-Suicídio

3-Câncer

 

-Os transtornos depressivos lideram o grupo de doenças mentais que levam ao suicídio, embora os números sejam também elevados para a esquizofrenia.

-A presença de doenças físicas graves afeta a saúde mental das pessoas, tanto como de toda a família. A maioria das doenças gravemente incapacitantes ou ameaçadoras da vida, inclusive o câncer em homens e em mulheres, e o HIV/SIDA têm esse impacto.

-Em muitos países com grandes reestruturações econômicas em curso as reformas causaram uma elevada perda de empregos e aumentos correlativos das taxas de perturbações mentais e de suicídios.

-Os portadores de perturbações mentais vêem-se muitas vezes em contato com o sistema de justiça criminal. Em geral, observa-se nas prisões um número excessivo de pessoas com perturbações mentais e de grupos vulneráveis, devido, na maioria dos casos, à falta de serviços, pelo fato de seus comportamentos serem encarados como perturbação da ordem e ainda devido a outros fatores tais como crimes relacionados com a utilização de drogas e a condução de veículos sob a influência do álcool.

 

Psiquiatras

-O número médio de psiquiatras varia de 0,06 por 100.000 habitantes em países de baixos rendimentos a 9 por 100.000 em países de rendimento elevado.

-O uso da Internet é tido como uma abordagem promissora a fim de levar preparação e ouvir o parecer de especialistas em questões de diagnóstico e controle de doenças mentais.

-Os curandeiros tradicionais constituem a principal fonte de assistência em saúde mental para pelo menos 80% das populações rurais dos países em desenvolvimento.

-O Sri Lanka ampliou recentemente a duração da formação em psiquiatria e incluiu-a como matéria sujeita a exame final na formação médica.

 

Serviços de Saúde Mental

-As guerras, os conflitos, as catástrofes, a urbanização não planejada e a pobreza são não só importantes determinantes das doenças mentais como também são barreiras significativas à redução do desnível de tratamento. Por exemplo, as guerras e os conflitos podem destruir as economias nacionais e os sistemas de saúde e previdência social, assim como podem traumatizar populações inteiras. Com a pobreza vem o aumento da necessidade de serviços de saúde e comunitários a par de verbas limitadas para o desenvolvimento de serviços de

saúde mental abrangentes a nível nacional e uma redução da capacidade de pagar por esses serviços a nível do indivíduo.

-Os sistemas de saúde mental vêm atravessando grandes reformas em muitos países, tais como a desinstitucionalização, o desenvolvimento de serviços baseados na comunidade e a integração no sistema geral de saúde. É interessante assinalar que essas reformas foram inicialmente estimuladas por fatores ideológicos, pelo desenvolvimento de novos modelos de tratamentos farmacológicos e psicoterapêuticos e pela crença de que as formas alternativas de tratamento comunitário seriam mais eficazes em relação ao custo. Até agora, contudo, a maioria das investigações procurando demonstrar a eficácia desses objetivos políticos desenvolveu-se em países industrializados e há dúvidas quanto à viabilidade da generalização dos resultados para os países em desenvolvimento.

-Existe em todos os países uma certa necessidade de mais pesquisas sobre os custos das doenças mentais e para avaliações econômicas dos programas de tratamento, prevenção e promoção.

Referências:

-Organização Mundial de Saúde/Burden of Mental and Behavioural Disorders.

-Organização Mundial de Saúde/The World Health Report.